Os bons empregos acabaram...

Publicada por José Manuel Dias


A terça e a quarta-feira são os dias piores. Cristina passa a terça-feira na garagem de casa dos pais, reconvertida em armazém, a receber as encomendas dos seus 20 fornecedores de legumes - "biológicos e apanhados no dia". É já noite quando sai do meio dos legumes e vai para o escritório (a sua casa) esvaziar o correio, antes de se deitar. Dorme depressa. No dia seguinte levanta-se às cinco e meia. Quarta é o dia da entrega ao domicílio dos cabazes com um sortido de legumes, que podem ser complementados com outros produtos biológicos, como carne barrosã, fruta, azeite ou frutos secos. A primeira entrega é às oito, na Marechal Gomes da Costa. O périplo pelo Grande Porto é de 150 km e dura todo o dia, obrigando a três regressos ao armazém para reabastecer a Citroën Jumpy.
A Horta à Porta, a empresa inventada por Cristina, tem cem clientes, que são assinantes do serviço de legumes (o resto é encomendado à parte) e escolhem a periodicidade da entrega (semanal ou quinzenal) e o formato do cabaz - pequeno (oito legumes e custa 16 euros), médio (dez legumes, 21,50 euros) ou grande (11 produtos em maior quantidade, 27 euros).
Fonte: Diário de Notícias, aqui.
Pessoas responsáveis, proactivas, não se desculpam com as condições externas, identificam opurtunidades e aproveitam-nas, criando os seus próprios empregos.

2 comentários:

  1. .:*:. Ferípula .:*:. disse...

    Olá!
    Bom Natal e muitas felicidades!!!
    :)

  2. Arabica disse...

    Um caso de sucesso saudável, sem dúvida.


    Beijinho