Um completo disparate

Publicada por José Manuel Dias


Sejamos claros. A economia portuguesa enfrenta um problema gravíssimo de competitividade. E, a essa luz, o que deveríamos estar aqui a discutir era um eventual corte nos salários, que "comem" metade da produção. Mas nenhum governo faria isso, ademais em período de eleições. A solução é aguentar. Ainda há dias a UE recordava o óbvio: os países onde os custos salariais unitários mais têm subido são a Grécia, a Irlanda, a Itália e Portugal. Pois...
Foi a pensar em tudo isto que, aquando do orçamento para 2009, me insurgi contra os 2,9% de aumento salarial para a Função Pública, que me pareceram irrealistas. Recordo que a inflação esperada era então de 2,5%. Mas os factos estão a desenrolar-se a uma velocidade vertiginosa e a inflação esperada é agora de apenas 1%. Resultado: sem quaisquer melhorias de produtividade que o justifiquem, estamos a oferecer um acréscimo de quase 2% de salários... (ir)reais. É um completo disparate.
Daniel Amaral, em artigo de opinião, com leitura integral no Diário Económico, aqui.

2 comentários:

  1. Arabica disse...

    Deixei uma pequena dose de desafio para ti, no meu post de hoje :)


    Faz bem -de vez em quando- esquecer os números :)

    Espero que aceites...

  2. José Manuel Dias disse...

    Grato pelo desafio. Será aceite, apenas aguardo melhor hora para o levar à prática.
    Bjs