O goodwill

Publicada por José Manuel Dias


O valor económico duma empresa é constituído por duas componentes:
- O valor substancial que corresponde à situação líquida contabilística após reavaliação dos elementos activos e passivos.
- O goodwill que, em termos genéricos, pode ser considerado como o valor duma empresa derivado da existência de uma série de factores, tais como:
a) organização técnica e comercial,
b) clientela e relação com fornecedores,
c) prestígio,
d) outros.
Dito de outro modo, o goodwill é o valor não físico ou intangível que expressa o valor da empresa para além do seu valor contabilístico ou do valor de venda dos seus activos, líquidos do seu passivo. O goodwill também se pode definir como a capacidade ou a potencialidade de uma dada empresa gerar lucros superiores aos normais ( em outras unidades do mesmo sector) em resultado de uma dada combinação de factores que influenciam positivamente o seu futuro.

6 comentários:

  1. BaD disse...

    Caro José Manuel Dias,

    Primeiro deixe-me felicitá-lo por este brilhante blog. É com muito gosto que o visito regularmente.

    Depois gostaria apenas de acrescentar que uma importante parte do goodwill é a propria marca da empresa. E muito se tem discutido em relação a esta assunto, principalmente no que respeita ao tratamento contabilistico, nomeadamente em situações de falencia, quando o goodwill tende a ser de extrema importância. É extremamente volatil, de dificil quantificação e no entanto, muito precioso quando uma empresa tem uma situação saudável, e logicamente, os gestores gostam de o ver incluido na contabilidade. O caso mais curioso é quando uma empresa abre falência, o seu prestígio está nas ruas da amargura, a questão põe-se: quanto vale a marca?

    Muitos gostam de definir goodwill como o premium na compra de uma empresa, isto é, a diferença entre o preço de aquisição e o seu preço real. Claro que na hora da falência, a história é necessáriamente outra...

    Não esquecer que nas novas regras contabilisticas, o goodwill (este premium) tem que ser incorporado nas contas do comprador e amortizado gradualmente.

    Cumprimentos!

  2. Maréchal Ney disse...

    Vamos devagarinho,devagarinho, porém verifico que é crescente o número dos nossoos empresários preocupados com a imagem das suas empresas, das suas organizações.

    Não saberão manipular consequentemente e em prufundidade esta importantíssima vertente empresarial, porém para lá caminham.

    Maréchal Ney

  3. Pedro Melo disse...

    Oi! Voltei a passar por ca! Gostei do post, nao que eu perceba disso, eu admito! Mas compreendo bem o que aqui está explicito! Realmente tudo o que rodeia uma empresa acaba muitas vezes por influenciar o seu sucesso até em casos admito contribuindo para o valor substancial. Obrigado pelo post, para mim foi uma oportunidade para "aprender" um pouco mais sobre o tema!

    ;)

  4. Kafé Roceiro disse...

    Hoje venho lhes dizer que estamos com Portugal no coração, pelos amigos e pelo nosso querido Felipão. Corrente pra frente. Temos que acreditar!
    Forte abraço,
    Kafé.

  5. José Manuel Dias disse...

    Agradeço os vossos contributos. O Blogue não seria o mesmo sem a atenção que lhe dispensam e as apreciações e conhecimentos que aqui nos trazem. Muito obrigado.

  6. Aluada disse...

    Encontrei este Blog no meio desta Blogosfera imensa ... e venho logo dar com um post sobre "Godwill"! Oh Good :/
    Não tivesse eu andado 4 infimos anos a ouvir do mesmo, finalmente a tormenta acabou aquando a licenciatura em Finanças (dá para acreditar?!) terminou! HeHeHe

    Nota mental: Com o bad disse o godwill é amortizado, e já agora em 5 anos! :) Sempre dou o meu contributo!

    Gostei, vou voltar!