Unidade através da singularidade

Publicada por José Manuel Dias


Não há nenhum som nocturno mais arrepiante, lúgubre, assustador e belo de que o capricho musical de uma alcateia que uiva. (.../...)
Por causa da melodia de vozes, muitas vezes parece que estamos rodeados de muitos lobos.
Na verdade não há geralmente mais de cinco a oito lobos uivando numa alcateia. O segredo é que os lobos têm sempre o cuidado de não se sobreporem uns aos outros. Cada lobo assume uma nota única, respeitando a distinção dos outros membros da alcateia. Apesar das notas poderem mudar, como em qualquer bonita canção, um lobo não copiará a nota de outro.
O que é interessante é que este respeito pelo indivíduo só acentua a verdadeira unidade do grupo. Eles são um, mas são indivíduos, cada um contribuindo para a organização de uma forma só sua. Cada lobo tem a sua própria voz. Cada lobo respeita a voz de todos os outros lobos. (.../...)
A sinfonia dos lobos faz com que a alcateia pareça um inimigo muito maior do que se todos eles se ouvissem ao mesmo tempo. (.../...)
Assim também são mais fortes as organizações e as famílias em que a consciência de cada indivíduo é celebrada em vez de abafada. Cada pessoa assume a sua parte de responsabilidade no grupo empregando os seus talentos e forças específicas. Expressando a sua própria singularidade e respeitando e encorajando a singularidade dos outros, a unidade torna-se fortíssima.
Extraído de " A sabedoria dos lobos", Twyman L. Towery, Sinais de Fogo Publicações, Lda, Cascais (2001)

9 comentários:

  1. Suzi disse...

    "Eles são um, mas são indivíduos..."

    Bonito, isso, hein?
    Bom de aprender!

    Um beijo
    e obrigada pela carinhosa visita.
    Volte sempre que quiser. Lá, as portas e janelas ficam sempre abertas, de dia, de noite e de madrugada. É chegar e entrar. Nem precisa bater.
    ;o)

  2. Cleopatra disse...

    Alguém hoje me disse algo muito semelhante.
    Alguém hoje me deu um conselho que nunca esquecerei.

  3. Luna disse...

    Que pena que os humanos, que pensam tudo saber e tudo poder, não aprendam com os animais os ensinamentos que nos dão sobre a vida, gostei de te ler
    beijos

  4. Anónimo disse...

    Adorei o texto. O medo às vezes obtém-se pela algazarra. Palram muito mas não mordem :))

    Um bom fim de semana.

  5. Sandra disse...

    É pena que os humanos não façam o mesmo... Devíamos aprender com os lobos...

    Beijinhos

  6. crt disse...

    É bem verdade!! São coisas simples mas que, no dia a dia, nos esquecemos de ter presente e pôr em prática. Gostei muito.
    Olha José, copiei o último parágrafo, para não me esquecer.

  7. Anónimo disse...

    Já viste o País que eramos se a classe politica e a sociedade portuguesa fosse como os lobos ??

    Bom domingo

  8. Candy disse...

    E aida nos achamos superiores!...Temos muito a aprender com os outros animais. Os lobos são um exemplo a seguir sem dúvida. :)

  9. Frioleiras disse...

    Adoro lobos... diziam-me dantes, que não há muitos anos, ainda se sentiam na serra da Lousã..... lembro-me de ouvir dizer e da minha curiosodadde em me cruzar com algum, quando atravessavamos de carro a serra, a caminho de Coimbra (antes das autoestradas, quem ia de Castanheira de Pera para Coimbra...)...lembranças de infância...lembranças de lobos ...