Conte até dez...

Publicada por José Manuel Dias


Quando era menino, o meu pai costumava contar até dez em voz alta, todas as vezes que ficava aborrecido comigo ou com as minhas irmãs. Era uma estratégia que ele usava (e outros pais também) para se acalmar antes de decidir o que fazer em seguida.
Eu melhorei essa estratégia ao incorporar-lhe o uso da respiração. A táctica é simples: quando sentir que está a perder o controlo, inspire profundamente e, enquanto o faz, diga »um». Em seguida, relaxe todo o corpo, ao expirar. Repita o mesmo processo com número dois, e assim por diante, até pelo menos dez. O que acontece é que está a purificar a mente com uma versão reduzida de exercício de meditação. A combinação é tão relaxante que é quase impossível continuar irritado no final. O aumento do oxigênio nos pulmões e o intervalo de tempo entre o momento que termina o exercício permite-lhe ampliar a perspectiva. Facilita a percepção de que a «tempestade», na verdade, é um «copo de água».
Extraído do livro " Não faça uma Tempestade num Copo de Água", Carlson, Richard, Temas e Debates Actividades Editoriais, Lda, Lisboa (2002)

9 comentários:

  1. Pé de Salsa disse...

    Essa é uma óptima estratégia para as pessoas que passam a vida stressadas (e que hoje são a maioria).

    Um abraço.

  2. Cris disse...

    Certíssimo!! Apareça!

  3. AC disse...

    É sem dúvida um bom sistema mas..., perde-se muita expontaniedade!
    Cpts

  4. Kalinka disse...

    Olá José Manuel

    Muito obrigado pela dica de purificar a mente, com uma versão reduzida de exercício de meditação.
    Vou «tentar» quando me sentir mais stressada. Depois conto como foi.

    Bom fim de semana.

  5. crt disse...

    ehehehe
    Acha que no momento de partir a loiça se pensa em actos de inspirar e expirar conjugados com a contagem de números??

    Mas acredito que seja uma excelente estratégia, para quem consiga pô-la em prática.
    Vou tentar!

  6. Professorinha disse...

    Às vezes convém contar é até 100... e com muita respiração!

  7. Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

    Tenho um amigo que foi terrível na infância e o pai dele era uma criatura fantástica. Doido, para a maioria, mas eu o achava simplesmente excênctrico. Bem, esse pai tinha uma estratégia interessantíssima, para educar seu único filho endiabrado: ele colocou na porta da geladeira, uma caderneta e uma caneta. Nela ele ia escrevendo cada traquinagem que o filho aprontava. Cada uma delas ia parar na lista das coisas a não serem feitas e que mereciam castigo sério.Elas iam de 1 até 10. Quando atingia o número máximo, ele era castigado por todas as que havia feito e que constavam na lista como sendo graves. isso acontecia sempre depois de todos terem jantado e já fora da amesa. Era um ritual já aderido à vida. Meu amigo sabia pela lista que no dia da décima traquinagem ele seria punido logo após o jantar. O pai jamais deixou de cumprir com o prometido e o filho sempre respeitou o pai, por ter mantido sempre a palavra e por educá-lo de um modo que, mesmo aparentando uma certa rigidez, nunca fora feito nada em momento de fúria. A espera pelo dia da décima travessura, fazia com que meu amigo tentasse evitá-la e como não conseguia fugir dela...

    Aprendeu bem!!! É um homem brilhante e sempre citao pai como exemplo... O pai ensinou-lhe além de tantas coisas, a esperar pelo momento certo para cada acontecimento.

    Um bom final de semana!!!
    Beijo,
    Cris

  8. Isabel disse...

    Gostei muito...muito mesmo... vou tentar por em prática.
    tambem gostei da visita... Continue a visitar-me eu tambem continuarei a passar por aqui...

    Bom fds.

    Isabel

  9. vida de vidro disse...

    Gostei de ler, e vou tentar aplicar o método. E se preciso... :)**