Esperar ou agir...

Publicada por José Manuel Dias


Estamos no XX Congresso do Partido Comunista da União Soviética, em 1956. Krutchev discursa no púlpito e diz aos seus camaradas:
«Estaline fez isto e aquilo», «Estaline cometeu este e aquele crime».
E assim continua o seu rol de acusações. Ao fim de meia hora, ouve-se uma voz lá no fundo da sala, que diz: «E você, camarada Krutchev, onde estava durante esse tempo todo? Que fazia?» Faz-se um silêncio sepulcral na sala. Krutchev pára imediatamente de falar. Poisa os óculos. Ergue o olhar e pergunta em tom de desafio:
«Quem falou?» Faz-se silêncio na sala. «Quem falou!?» Silêncio…«Quem falou!!!?»
O silêncio é total. Krutchev sorri, baixa um pouco a cabeça e diz:
«Pois é, camarada. Estava aí onde você está agora: quieto e calado!».
Serve esta pequena história, para relevar a importância de agirmos. Não há que esperar. Não há que recear temer ter razão antes do tempo. O tempo é um recurso escasso. O tempo que passa não volta. O tempo tem de ser bem gerido. Importa, por isso, actuar de forma empenhada e responsável, com o propósito de fazer as mudanças necessárias, antes que outros as façam por nós. A hora da decisão chegou. Não há volta a dar. Conhecer as melhores práticas de gestão será, seguramente, facilitador das decisões que temos que tomar, quer na nossa vida pessoal, quer no plano profissional. A gestão está, pois, na ordem do dia...

4 comentários:

  1. sonia r. disse...

    Belo conselho. Boa tarde.

  2. maresia_mar disse...

    Olá
    agir é a palavra de ordem: Não guardes para amanhã o que podes fazer hoje... Boa semana

  3. Maréchal Ney disse...

    JMD:
    Formidável a abordagem que fez ao maior protagonista da Guerra Fria.
    Quanto ao tempo ele tem várias medidas.
    O tempo histórico, o tempo das instituições, tem um diapasão, um valor.
    O nosso tempo enquanto seres humanos é escasso, e na realide urge agir e gerir, porque aqui o tempo passa veloz.

    Maréchal Ney

  4. Leonoretta disse...

    falas de coisas serias. muito serias. com historias de um tempo que ja nao ha memoria mas eu lembro-me dels, infelizmente com alguma imaturidade. na altura ainda nao os entendia. mas tento perceber como a historia serve de trampolim a mensagem que queres transmitir.

    abraço da leonoreta