Boas notícias!

Publicada por José Manuel Dias


O número de estudantes do pré-escolar ao secundário aumentou em Portugal, com as escolas a receberam mais 21 mil alunos, anunciou o Ministério da Educação. De acordo com o recenseamento escolar divulgado esta segunda-feira à Agência Lusa pelo Gabinete de Informação e Avaliação do Sistema Educativo (GIASE) do Ministério da Educação, o número de alunos matriculados no ano lectivo de 2006/2007 passou de 1.648.278 para 1.669.470.
A informação estatística relativa apenas a Portugal Continental mostra que o aumento da população estudantil foi geral, desde o pré-escolar ao ensino secundário, mas com especial incidência no 3º ciclo do ensino básico (7º e 9º anos) e no secundário (10º e 12º ano).
De acordo com os dados, a educação pré-escolar teve um acréscimo de alunos de 1.488, passando de 245.738 para um total de 247.224, o ensino básico um aumento de 8.440, passando de 1.076.360 para 1.084.800 estudantes e o secundário cresceu 11.264, passando de 326.182 para 337.446 alunos.
O crescimento do número de alunos no 3º ciclo, acrescenta a informação do Ministério, resulta do aumento dos matriculados em cursos profissionalizantes com certificação escolar e profissional, destinados a combater o insucesso e abandono escolares. Este crescimento, refere a nota do Ministério, decorre do reforço da oferta do ensino público, que atraiu mais 10.509 alunos do que no ano anterior. No ensino secundário, a expansão deve-se ao aumento dos matriculados em cursos profissionais, que passaram de 33.341 para 44.466 alunos. Noventa e três por cento destes novos alunos estão matriculados em estabelecimentos de ensino públicos.
Fonte : Portugal Diário

3 comentários:

  1. Anónimo disse...

    Também me parece uma boa notícia. Esperemos que o aumento de alunos se traduza também na melhoria dos resultados escolares, nomeadamente na Matemática. Um abraço

  2. Anónimo disse...

    Muito boas notícias, só espero que haja postos de trabalho para toda a gente ocupar quando acabarem os cursos.
    Até mais

  3. Terra & Sal disse...

    Sabemos meu Caro José Manuel Dias que o Ensino e a Educação são os “caboucos” de um país que queremos seja construído com sustentabilidade para que seja melhor, mais próspero, logo mais feliz.
    Se há coisa que me entusiasma é tudo que diga respeito ao Ensino seja ele técnico, profissional, de investigação, ou qualquer outro vocacionado que seja ao verdadeiro desenvolvimento futuro do país, e que, depois de concluído não seja motivo ou fruto de infelicidade e frustração, para quem a ele se dedicou com alma e o coração cheio de esperança.
    Tenho no entanto uma coisa que abomino relacionado com o ensino, e que, prejudica tudo e todos, principalmente milhares dos nossos jovens.
    Reporto-me a “cursos” forjados, martelados mesmo, sem interesse para ninguém, e com graves consequências no futuro, seja para o aluno, para os pais, e para o próprio país. É que ninguém sabe para que servem e existem às dezenas.
    Sempre pensei que as Universidades não se prestassem a isso, sejam elas publicas ou privadas.
    É frustante e castrador para todos, menos para a leviandade de alguns permitir-se uma coisa assim, tão aberrante.
    Existem apenas para sacarem dinheiro ao país, aos pais, e a todos nós, causando ainda por cima no fim, danos morais irreparaveis nos jovens.
    Gostei do post.é estimulante saber que estamos a levar embora devagarinhho, a coisa a sério.
    O "Cogir" continua a ter uma postura que agrada, é abrangente, pedagógica e por isso continua de parabens.
    Um ano próspero para si e para ele.
    Um abraço José Manuel Dias