Marca na hora

Publicada por José Manuel Dias


Depois da criação da "Empresa na hora", lançada há um ano , com grande êxito, a avaliar pelas 8.500 sociedades já criadas , foi recentemente apresentada a "Marca na hora".
Existe, a partir de agora, a possibilidade de criar uma empresa e, de imediato, obter uma "marca", encurtando um processo que, no passado, se estendia por mais de um ano. Não será , no entanto, possível criar uma "Marca na hora", sem que primeiro se tenha constituído uma "Empresa na hora", mas a dependência entre a empresa e a marca só existirá no acto da constituição, uma vez que a mesma empresa pode adquir mais do que uma marca associando-a a diversos tipos de produtos e serviços. Esta medida, que já se encontrava contemplada no programa Simplex, vai estar em regime experimental durante os próximos 4 meses, de acordo com declarações do Secretário Estado da Justiça, efectuando-se, no termo desse prazo, um balanço efectivo e os ajustamentos que a experiência, entretanto recolhida, recomendar.
Aplausos para esta Medida que cria condições de atractividade para o investimento e melhora a competitividade da nossa economia.
Registe-se, entretanto, o balanço da aplicação da "Empresa na hora" ( divulgado pelo Ministério da Justiça) :
- início de aplicação : 14 de Julho de 2005
- poupança para empresários : 1,1 Milhões de euros
- eliminação de 230.000 dias de trabalho em deslocações a Conservatórias
- 19.500 postos de trabalho criados
- 93 Milhões de euros de investimento gerado.
- constituem-se em média 5o "Empresas na hora" por dia.
Quem pode condenar o "Simplex" por reduzir a burocracia? Só mesmo os burocratas, como me dizia um amigo que recentemente constituiu uma "Empresa na hora", no Centro de Formalidades de Empresas, em Aveiro.

10 comentários:

  1. A.J.Faria disse...

    Esta é uma medida, entre outras, que este governo já efectuou e que vem revolucionar a mentalidade burocrática que existe neste país.
    Esperemos que lentamente, as reformas anunciadas e algumas já em execução possam ir transformando positivamente o modo
    de actuar de todos os envolvidos.
    Abraço

  2. Luna disse...

    Só fico a pensar, o que pode ser uma tolice, se não se tornará mais facil criar empresas ficticias dessa forma.
    beijos

  3. GK disse...

    Estive presente na inauguração da "Empresa na Hora" em Coimbra. Na altura, perguntei-me se não seria mais uma medida de encher o olho... Mas parece que não... Vamos ver o Simplex...

    Quanto à visita ao Cardos... a resposta já está no blog. Obrigada pelo interesse.

    Bj.

  4. -Sedna- disse...

    Tu página me ha parecido muy interesante, seguiré pasandome...
    Gracias por tu visita.
    Un beso.

  5. Orlando Tambosi disse...

    Precisamos disto também aqui no Brasil.

    Abs., Tambosi

    P.S.: agradeço o link (permita-me observar que está "quebrado"...)

  6. Beto Campos disse...

    Bem vindo ao blog, volte sempre, agora sempre estarei por aqui visitando...

  7. Joshua disse...

    Eu aprovo, mas o que sinceramente me parece é que essa medida é de quem a pôde tomar e não vale a pena empolar o mérito.

    Até o PC, se estivesse na governação, a tomaria.

    Abrx

  8. Isabel Magalhães disse...

    ......... bom...! sem contrapor o conteúdo do artigo há, - infelizmente - casos em que o 'Simplex' não é nada simplex! :)))

    e nem preciso deixar exemplos! :)

  9. CarpeDiemBeHappy disse...

    Uma boa medida e uma forma de diminuir a burocracia!!Esperemos que não contribua para criar ainda mais empresas ficticias..há que controlar os espertinhos.
    bjs

  10. Helena Thadeu disse...

    Não conhecia e achei bem interessante. Embora tenha algumas dúvidas. Vou-me informar.