O mundo não está para os cobardes

Publicada por José Manuel Dias


Jardim Gonçalves, que também fez na vida muitas coisas de aplaudir, costumava dizer que não se devem tratar os filhos todos da mesma maneira, pois são diferentes uns dos outros. Usava esta imagem para explicar porque estruturou a oferta do banco em diversas redes, uma estratégia de segmentação reconhecida como uma das razões do rápido sucesso do BCP, o primeiro banco a perceber que Américo Amorim, o seu motorista e o director financeiro da Corticeira Amorim não podiam ser todos tratados da mesma maneira, pois tinham patrimónios e necessidades diferentes.
Quando contou num livro algumas das histórias da sua passagem dourada pelo FC Porto, José Mourinho declinou de uma forma ainda mais rica a regra de que é errado tratar os filhos todos da mesma maneira. Conta Mourinho, que chamou Sicrano para uma conversa a dois, antes de o lançar pela primeira vez na equipa, e lhe explicou que não tinha de estar nervoso com a estreia. Mesmo que o jogo lhe corresse mal, era garantido que seria titular no fim-de-semana seguinte. Já quando se tratou de anunciar a titularidade a Beltrano, o treinador avisou-o de que a estreia era uma oportunidade única. Se ele a desperdiçasse, bem podia pensar em ir tratar de vida, porque no Porto não teria futuro.
[.../...]
Com o céu carregado de nuvens, a única coisa que devemos temer é ter medo de decidir, de falhar e de arriscar. Não é a jogar para o lado que se ganham jogos. Só marca quem chuta à baliza - e não tem medo de que o remate saia torto. O mundo não está para cobardes.
Jorge Fiel, em artigo de opinião, no Diário de Notícias, com leitura integral aqui.

1 comentários:

  1. Rodrigo Ábnner disse...

    Realmente, cada pessoa é um mundo único a ser descoberto... e o líder que tem a capacidade de observar essas características e saber usa-las para aumentar o potêncial do profissional, terá sempre seu lugar ao sol.

    Rodrigo Ábnner