O desafio e o tubarão

Publicada por José Manuel Dias


Os japoneses apreciam muito peixe fresco. Contudo nas águas perto do Japão não abundam os peixes. Assim, para alimentar a sua população, os japoneses aumentaram o tamanho dos navios pesqueiros e começaram a pescar mais longe. Quanto mais longe os pescadores iam, mais tempo levava para o peixe chegar e quando o peixe era colocado no mercado já não era fresco. E os japoneses não gostaram do gosto destes peixes. Para resolver este problema as empresas de pesca instalaram câmaras figoríficas nos barcos. Pescavam e congelavam os peixes em alto-mar. Entretanto, os japoneses conseguiam notar a diferença entre peixe fresco e peixe congelado, e é claro, eles não gostavam do sabor do peixe congelado. Entretanto o peixe congelado tornou os preços mais baixos. Como resposta a esta situação as empresas de pesca instalaram tanques de peixe nos navios pesqueiros. Podiam pescar e enfiar esses peixes nos tanques, "como sardinhas". Depois de certo tempo, pela falta de espaço, eles paravam de se debater e não se moviam mais. Eles chegavam cansados e abatidos, porém, vivos. Infelizmente, os japoneses ainda notavam a diferença do gosto. Em resultado de não se se mexerem, os peixes colocados nos tanques perdiam o gosto de frescos. Os japoneses preferiam o gosto de peixe fresco e não o gosto de peixe apático.Então, qual foi a resposta dos japoneses para este este problema?
Como eles conseguiram trazer para o Japão peixes com gosto de fresco ? A solução foi muito simples.
L. Ron Hubbard observou no começo dos anos 50 que "O homem progride, estranhamente, somente perante a um ambiente desafiador". Quanto mais inteligente, persistente e competitivo você é, mais gosta de um bom problema. Se consegue concretizar os seus objectivos mais ambiciosos fica naturalmente satisfeito. Identifica os desafios e sente-se com mais energia. Fica mais empenhado, mais determinado, mais vivo!
Para conservar o gosto de peixe fresco as empresas de pesca japonesas ainda colocam os peixes dentro de tanques. Mas, eles também adicionam um pequeno tubarão em cada tanque. O tubarão come alguns peixes, mas a maioria dos peixes chega "muito vivo". Os peixes são desafiados. Portanto, ao invés de evitar desafios, encare-os. Se seus desafios são grandes e numerosos, não desista. Coloque mais determinação, mais conhecimento e mais ajuda. Se alcançou os objectivos, aumente a fasquia. Se as suas necessidades pessoais ou familiares forem atingidas vá de encontro aos objectivos do seu grupo e da sociedade. Não se acomode nele. Tem recursos, habilidades e destrezas para fazer diferença. Duvida ? "Então, ponha um tubarão no seu tanque e veja quão longe você realmente pode chegar".
Adaptado de um texto de um MBA, fonte Best Swiming

1 comentários:

  1. Terra & Sal disse...

    Interessante a metáfora Caro José Manuel Dias, compreendo-o perfeitamente, ainda mais porque sei que gosta de desafios, e era bom que pelo menos 60% dos portugueses pensassem e agissem assim, indiscutivelmente estaríamos melhor.
    Embora comungando da sua vontade e determinação não me iludo. Já cheguei à triste conclusão, que não vale a pena "pregar aos peixes".
    Se me permite contrariá-lo deixo-lhe uma questão que não precisa de responder.
    Somos de um clima temperado, se calhar,meio-quente, já que, estamos a dois passos de África.
    Ora não há país nenhum no mundo de clima quente, em que as suas gentes sejam dinamicas.
    Mesmo na Europa, quanto mais para sul andarmos, menos "garra" há.
    No próprio Portugal, o sul é muito menos dinamico que o Norte.
    Por isso meu Caro JMD, nós deviamos era estar implantados no continente africano, e aí sim, seríamos um exemplo a seguir pelos outros.
    Brinquei com a questão, mas se pensar um bocadinho não é de todo descabido, este raciocínio.
    Um abraço