Agenda-Setting

Publicada por José Manuel Dias



A ideia desta teoria (alguns defendem tratar-se mais de uma hipótese) consiste em dividir os assuntos da sociedade em agendas (política e jornalística) que são apresentadas ao público para este discutir. Os assuntos são igualmente hierarquizados. Em resultado da acção dos jornais, da televisão e de outros meios de comunicação social, o receptor tem a tendência para escolher os assuntos que mais lhe interessam, e pensar sobre eles, já que os media não nos dizem como fazê-lo, dão-nos só os assuntos. São os media que organizam a agenda, são eles que a hierarquizam, ao receptor resta-lhe aceitar essas regras, sendo o seu papel o de escolher as suas prioridades temáticas. Existe contudo uma tendência para que as pessoas acabem por valorizar aquilo a que os media dão ênfase. Os mass media, de acordo com esta teoria, descrevem e precisam a realidade exterior, fornecendo, ao mesmo tempo, uma listagem sobre o que é preciso discutir e ter opinião. Os receptores acabam por formular as suas opiniões, com base na própria hierarquização de importância ditada pelos media e, em certa medida, limitam as sua análises a leituras a aspectos marginais e superficiais dos temas mais estruturantes. Recorde-se a, título de exemplo, a visita do Primeiro Ministro à China e o espaço ocupado pelas infelizes declarações do Ministro da Economia, em detrimento duma análise mais cuidada das nossas vantagens competitivas num mercado como o chinês ou do modo como podemos aumentar o grau de atractividade de investimento estrangeiro. Os jornais, a rádio e a televisão "fizeram eco" dessas palavras e foi sobre essa situação em concreto que sindicalistas (UGT e CGTP), oposição (à esquerda e à direita) e Primeiro Ministro acabaram por exprimir posições, levando-nos, por arrastamento, a pronunciar sobre tal questão e a optar por uma das várias posições em confronto.
O desenvolvimento desta temática pode ser feita em Teorias da Comunicação, Wolf, Mauro, Editorial Presença, Barcarena (1987)

2 comentários:

  1. Cris disse...

    who have the media, rules the world! Ouvi isto num filme qualquer, no entanto acho causticamente apropriado. Ouvimos o que querem que oiçamos... Não me digam que a Censura acabou em Abril.....

    Bjo
    C.

  2. JotaCê Carranca disse...

    É por isto que eu gosto deste blog: aprende-se!
    um grande abraço